Com a queda de juros, ficou relativamente mais fácil conseguir um rendimento com dividendos superior a rentabilidade proporcionada por aplicações de renda fixa, como o CDI ou a Taxa Selic.

Sendo assim, uma opção para os investidores que querem diversificar suas aplicações em busca de maiores rendimentos seria aplicar seus recursos em ações que pagam dividendos elevados.

O que são Dividendos e Como Funciona a Distribuição?

Dividendos são uma parte do lucro de uma determinada empresa que é distribuído aos seus acionistas. Toda empresa S.A tem capital aberto e distribui no mínimo 25% dos seus lucros aos acionistas.

Quando o Conselho de Administração da companhia verifica se a empresa obteve lucro ao longo do exercício, ela distribui uma parte desse montante aos acionistas.

A empresa deve deliberar sobre os dividendos a distribuir, e informar publicamente os valores e datas de pagamento. Cada instituição possui uma periodicidade de pagamento diferente, variando entre mensal, trimestral ou anual.

Quais São as Ações Mais Promissoras? 

A equipe de análise da XP listou dez ações que devem trazer um retorno superior ao da Taxa de Juros.

Essa estimativa de dividend yield ( divisão do valor esperado em dividendos pelo preço das ações) está em alta para os próximos dois anos, com boas perspectivas para o negócio.

Na lista elaborada pela equipe, se encontram as tradicionais empresas do setor elétrico, dos setores de saneamento, de distribuição e siderurgia.

Dentre essas, os analistas apontam duas blue chips (empresas consideradas seguras para investir analisando sua condição financeira e consolidada como líder em seu ramo): a Petrobrás (PETR4) e a Vale (VALE3) como boas pagadoras de dividendos.

Confira abaixo as ações que se espera um bom pagamento de dividendos para os próximos anos:

  • AES Tietê (TIET11)

Empresa de geração de energia elétrica que atua principalmente em São Paulo. Mesmo dependendo das chuvas, os analistas a destacam afirmando que a mesma possui margens elevadas e um certo grau de previsibilidade. Com lucros consistentes, a companhia se torna cotada para investidores.

  • Taesa (TAEE11)

A transmissão de energia elétrica, setor de atuação da Taesa, é baseada em receitas fixas corrigidas pela inflação e margens elevadas, levando a um fluxo estável de dividendos. Além disso, a empresa sempre busca por mais crescimento, seja pela participação em leilões de novas linhas, seja pela aquisição de projetos de outras empresas.

  • Transmissão Paulista (TRPL4) 

Por conta do segmento de atuação (energia elétrica) e margem elevada, os analistas não descartam o pagamento de dividendos extraordinários por conta dos baixos endividamentos desta companhia.

  • Cemig (CMIG4)

A estatal mineira pretende distribuir 50% do lucro líquido aos acionistas. A prioridade é para os preferenciais, com dividendo mínimo igual ao maior dos seguintes valores (i) 10% de seu valor nominal de R$ 5,00/ação (valor do balanço patrimonial) ou (ii) 3% do valor do patrimônio líquido das ações.

  • Engie (EGIE3)

Mais uma geradora de energia com um certo grau de previsibilidade. A Engie apresenta lucros consistentes, além de se destacar pela capacidade diferenciada de se proteger dos efeitos de baixa incidência de chuvas. Outro fator que valoriza suas ações é o fato da empresa estar se expandindo para os setores de transmissão de energia e transporte de gás.

  • Sanepar (SAPR11)

A estatal paranaense de saneamento distribui dividendos elevados por conta de sua política de proventos. Ela prevê a distribuição do dividendo mínimo de 25% do lucro, além de 25% adicionais caso a situação financeira da empresa o permita (o que acontece desde 2012).

  • Copasa (CSMG3)

Outra empresa de saneamento, permite bom pagamento de dividendos ao prever uma distribuição de no mínimo 25% e no máximo 50% do lucro como proventos. Também existe a possibilidade de distribuições extraordinárias caso certas condições de endividamento sejam cumpridas. “Acreditamos que a Copasa deve cumprir tais condições sem dificuldades”, destaca a equipe de análise.

  • BR Distribuidora (BRDT3)

Empresa com baixo endividamento e recursos relevantes por conta de um acordo com a Eletrobras anunciado em 2018. Os analistas também destacam a antecipação dos recebíveis da Amazonas Energia R$ 1,4 bilhão em setembro de 2019.

  • Gerdau (GGBR4)

Como a empresa possui operações relevantes dentro e fora do país, sua distribuição geográfica é positiva e “permite à Gerdau um certo grau de consistência nos lucros e, consequentemente, na distribuição de dividendos aos acionistas”, avalia a equipe de análise. A distribuição de seus dividendos é trimestral e o pagamento de proventos é, no mínimo, 30% do lucro líquido.

Recomendados para Você
Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*Os comentários não representam a opinião do portal ou de seu editores! Ao publicar você está concordando com a Política de Privacidade.

*