Certamente você já sabe que um bom poupador não é aquela pessoa que só guarda dinheiro no cofrinho, mas aquele que sabe investir seus recursos e viver de renda.

Muitas pessoas que vivem assim, têm o hábito de investir na bolsa de valores comprando ações por um preço e vendendo quando este preço estiver acima o que investiu.

Grandes investidores pagam um profissional para ser seu trader (pessoa que acompanha a bolsa de valores buscando oportunidade de compra e venda de ações), mas se você está começando agora e quer entender mais sobre a hora certa de investir em determinada ação, vamos te ensinar nesse artigo os passos básicos para iniciar.

O que Determina o Preço de Uma Ação

Uma das perguntas mais frequentes que se ouve de alguém que está começando a investir em ações é: “essa ação específica está com um bom preço? Devo comprar?”

Mas a verdade é que a precificação de uma ação e como saber a hora certa de comprar depende de muitos outros fatores além do preço.

Vamos te dar um exemplo: você se lembra da OGX? Há alguns anos atrás, suas ações valiam cerca de R$ 20,00 e, de repente caíram para R$ 15,00, em seguida para R$ 5,00 e depois, R$ 1,00.

Se você fosse comprar um bem material, como um celular, na primeira queda de preço já estaria satisfeito com o valor menor e até pensando na possibilidade de revenda, não é mesmo?

Mas as ações não possuem um preço fixo, seu valor varia conforme lei da Oferta e Procura por uma determinada ação.

Se uma empresa tem boas perspectivas de crescimento, é provável que mais acionistas apostem nela e queiram comprar suas ações. Como suas negociações no mercado são limitadas, isso gera uma corrida no mercado pelos seus papéis e um aumento no preço deles, como aconteceu com a Petrobrás, quando suas ações subiram quase 20% numa semana após o anúncio da descoberta da jazida de Tupi.

O mesmo efeito pode acontecer de maneira inversa: com expectativas negativas de uma determinada empresa, os detentores das ações querem se desfazer delas rapidamente e, consequentemente, o preço cai.

Como a citada brusca queda da OGX: ao iniciar suas atividades com atrasos e baixo desempenho, a empresa foi acumulando resultados negativos e dívidas, e quando essas informações se tornaram públicas, seus acionistas foram saindo do investimento e suas ações começaram a despencar, chegando a valer centavos.

Caminhando de mãos dadas com a lei da Oferta e Procura, temos a especulação. A bolsa é um reflexo de expectativas de investidores do mundo todo, então, de acordo com a notícia que recebem sobre determinada empresa, ou sobre a economia de um país, seus investimentos vão se alternando buscando a maior segurança para seu capital.

Diante disso, diferente dos bens de consumo, o histórico dos preços das ações isolado não é muito confiável na hora de efetuar uma compra e devemos compreender que antes de comprar ações, é preciso realizar análises específicas das empresas que queremos investir.

Os Tipos de Análises de Ações

Existem dois tipos de análises que podem ser feitos em uma ação: a análise técnica e a análise fundamentalista. Abaixo vamos te explicar como funciona cada uma delas:

Análise Técnica

De acordo com Bárbara Rockefeller, no livro “Análise técnica para leigos” da Alta books Editora, “a análise técnica é o estudo do comportamento de preços dos títulos (e geralmente o volume associado também) para prever os próximos movimentos dos preços.”

Ela é feita através da avaliação de aspectos técnicos e gráficos, bem como os volumes de negociação do mercado.

Os analistas técnicos são chamados de grafistas e interpretam todas as informações coletadas nos dados acima para identificar e medir o sentimento do mercado.

Análise Fundamentalista

Esse tipo de análise é muito mais abrangente e não se detém somente nos números e gráficos, mas estuda resultados financeiros, situação macroeconômica, gestão, governança corporativa e outros fatores que indicam a solidez que uma empresa possui.

Seu maior objetivo é analisar quais os possíveis cenários para o futuro econômico e como eles podem afetar o crescimento econômico da empresa na qual você deseja investir.

Nela também se avalia o histórico da empresa: se seu time de gestores é qualificado, se ela pretende expandir para outros setores e se tem tomado boas decisões em seu crescimento.

Outros fatores também são importantes na análise fundamentalista como: margens operacionais, dívidas e rentabilidade.

Começando Com o Pé Direito

Por fim, para saber a hora certa de comprar uma ação na bolsa, você não deve olhar somente o valor, pois já vimos que dependendo das crises internas, as ações de determinada empresa podem cair.

Outra coisa, não vá pelo “achômetro”: você precisa pesquisar antes de comprar. É necessário ter uma visão ampla que abrange o valor das ações, a confiança na empresa e em seu crescimento, e inevitavelmente, a previsão de como ela vai crescer nos próximos anos, só assim, você pode valorizar seu investimento.

Você já sabe seu perfil de investidor? Caso não conheça, leia nosso artigo e descubra o grau de risco adequado para seu perfil antes de aplicar seu dinheiro. Assim, você terá uma estratégia clara na hora de formar sua carteira de investimentos, não se esquecendo de ler bastante sobre o assunto e assistir a muitos vídeos para se manter atualizado para o mercado.

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*Os comentários não representam a opinião do portal ou de seu editores! Ao publicar você está concordando com a Política de Privacidade.

*