A partir desse ano, os trabalhadores de iniciativa privada, poderão conseguir crédito consignado, ao antecipar os valores do saque-aniversário do FGTS.

O secretário de Política Econômica do Ministério da Economia, Adolfo Sachsida, espera que o novo produto provoque um “pulo” no crédito consignado, já que esse público antes não tinha direito ao mesmo.

O governo deve concluir em dois meses a regulamentação da nova modalidade que terá os resgates anuais como garantia. Será um dos créditos mais baratos do mercado, eles garantem.

Como Funciona o Saque Aniversário?

O saque aniversário do FGTS foi criado em 2019, e permite ao trabalhador sacar anualmente, uma parte do se Fundo de Garantia, de acordo com o mês que nasceu.

Os primeiros resgates começarão em abril de 2020, mas só para os que aderirem a essa modalidade. Aqueles que não solicitarem, permanecem com o resgate de todo FGTS em caso de demissão sem justa causa.

No caso do consignado pelo FGTS, este só funcionará para os trabalhadores que tiverem aderido ao saque aniversário.

O valor que pode ser retirado no saque aniversário é um percentual do que o trabalhador tem na conta, acrescido de uma parcela adicional. Veja abaixo:

 

 

 

 

 

Como Vai Funcionar o Consignado do FGTS?

Este consignado funcionará de maneira semelhante a uma antecipação do Imposto de Renda, ou do 13º salário, mas as taxas de juros serão menores.

A diferença, segundo Sachsida, é que os trabalhadores poderão antecipar os saques de FGTS previstos para dois anos, ou até mais tempo, mas, nesse caso as taxas de juros aumentam um pouco.

“A pessoa que quiser pagar por dois anos tem a melhor garantia do mercado, então a taxa (de juros) vai ser baixinha. Agora, a medida que ele for querendo pegar por mais tempo, ele pode? Pode, só que a taxa que o banco ofertar é um pouco diferente.” Afirma o secretário.

Dinheiro no Bolso

A intenção do governo é dar ao trabalhador a opção de colocar no bolso os valores do saque-aniversário antes de chegar a sua data de resgate do dinheiro. “Vai ser muito barato”, diz Sachsida. Provavelmente, a taxa de juros deve ficar abaixo de 2% ao mês.

Além disso, existe uma pequena vantagem em relação ao empréstimo consignado tradicional: no consignado do servidor público, caso o funcionário venha a falecer ou se divorciar,o pagamento da pensão comprometeria sua renda, reduzindo a margem do empréstimo.

Já no consignado do FGTS, não há esse risco, pois o dinheiro já está lá disponível, por isso, Sachsida acredita que a modalidade vai ser tão competitiva quanto o consignado do servidor público.

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*Os comentários não representam a opinião do portal ou de seu editores! Ao publicar você está concordando com a Política de Privacidade.

*

Recomendados para Você