As fintechs (empresas de tecnologia voltadas para o sistema financeiro) estão dando um show comparadas aos bancos facilitando cada vez mais a vida dos usuários.

O Banco BS2 faz parte desse grupo, e chegou com um novo serviço voltado, principalmente, para quem precisa usar dinheiro no exterior: a oferta de contas com mais de uma moeda.

Utilizando essas contas, o cliente pode usar cartão de débito em mais de um país, o que pode tornar mais barato levar dinheiro para o exterior.

Como Funciona A Conta?

Nessa modalidade de serviço, o Banco BS2 (antigo Bonsucesso) dispõe da operação de câmbio no próprio aplicativo e o cliente passa a ter dinheiro para pagar com um cartão de débito, depositar em reais e sacar em dólares no exterior (a US$ 5 por operação).

Atualmente, só é possível a conversão para dólar e o banco estuda a oferta de câmbio para outras moedas, como euro e libra.

A instituição cobra de 2% a 4% sobre o valor do dólar comercial para fazer o câmbio, percentual mais baixo que a média de 5% aplicada pelos grandes bancos no cartão de crédito. Para complementar, o IOF (Imposto Sobre Operações Financeiras) também é mais barato nessa operação, cerca de 1,1%.

Veja a comparação com o cartão de crédito: uma pessoa que gastasse US$ 1.000 na nova modalidade teria despesa em real de R$ 4.416 (considerado dólar comercial de R$ 4,20 da semana passada). No cartão de crédito, sairia por R$ 4.691, uma diferença de R$ 275.

Na prática, funciona da seguinte forma: 

“Ao abrir sua conta no Brasil, o cliente já consegue abrir a conta internacional em uma subsidiária nossa no exterior, que já está em dólar e disponibiliza a transferência 24 horas por dia”, diz o executivo de banco digital do BS2, Robson Dantas.”

Mercado

O BS2 encontra espaço entre consumidores que viajam frequentemente e esbarram em custos altos para a compra de moeda estrangeira e mesmo para pagar despesas de parentes no exterior, como caso de famílias com pessoas que estudam fora.

E, segundo o Banco Central, os gastos dos brasileiros no exterior têm aumentado cada vez mais. Só no último ano, houve uma alta de 11,9% ante igual período de 2018, totalizando um total de gastos de US$ 1,3 bilhão.

Segundo o cofundador da Remessa Online, Alexandre Liuzzi, a demanda dos brasileiros para transferência de recursos ao exterior ainda é baixa, em relação aos outros países, mas a expectativa de recuperação econômica no país abre espaço para que mais brasileiros viajem e procurem alternativas para esse tipo de gasto.

“O crescimento da renda per capita aumenta a internacionalização dos consumidores, que buscam estudar, trabalhar e investir no exterior. Esse segmento deve se desenvolver mais rapidamente nos próximos anos”, afirma.

E a tendência para a diminuição dos valores nas operações cambiais é real, visto que o BC está investindo na desburocratização dos custos com uma nova regulação para digitalizar todas essas operações. Boa notícia para as fintechs, e melhor ainda para os brasileiros.