A Visa é uma das maiores empresas de pagamento do mundo, e anunciou que está criando um programa específico para atrair startups e fintechs com ideias inovadoras.

Segundo Percival Jatobá, vice-presidente de Soluções e Inovação da Visa do Brasil, “se unir às novas ideias é fundamental para sobreviver em um mercado de constante transformação.”

Para ele, o desenvolvimento de soluções para o consumidor, está entre as prioridades da sua gestão, e o mesmo não pode ser feito, sem o auxílio dessas novas empresas.

Oportunidade Para Crescer

Jatobá afirma que não vê o crescimento das fintechs como ameaça para o futuro da Visa, pelo contrário,

As fintechs nos desafiam, diariamente, a evoluir, a agir cada vez mais rápido e a sermos assertivos para podermos acelerar nossos projetos.

Com esse desafio, a empresa sente-se motivada a cumprir o velho ditado: “Se não pode contra eles, junte-se a eles.” Assim, ela deseja firmar parcerias com as fintechs, para que ambas se ajudem a atender nichos específicos e buscar soluções mais convenientes, eficientes e seguras para os clientes.

Gosto sempre de lembrar que a Visa provavelmente foi uma das primeiras fintechs há mais de 60 anos. Conclui Jatobá

O executivo afirma estar preparado para fomentar novas parcerias com o Programa de Aceleração Visa e afirma estar animado com o processo.

Jatobá já liderou importantes projetos nos últimos anos, como a introdução do Samsung Pay, Google Pay e Apple Pay, a aceitação por aproximação EMV no transporte público no MetrôRio e nos ônibus da cidade de São Paulo, a implementação de soluções como o Visa Direct, que permite transferências instantâneas entre pessoas e comércios, além da expansão do protocolo de tokenização.

Benefícios de Trabalhar Com Startups

O programa está em busca de parceiras startups por entender que a empresa, mesmo que consolidada, precisa aprender com os empreendedores digitais a pensar rápido, perder o medo e buscar resultados exponenciais.

Os maiores interesses da Visa estão em empresas concentradas nas áreas de pagamentos, dados, mobilidade urbana, machine learning, inteligência artificial, melhorias de processos em logística e blockchain.

Buscamos empresas que possam ter um crescimento rápido e consistente, e que sejam escaláveis. Afirma Jatobá.

Fases do Processo

Para esse ano, o programa vai selecionar em torno de cinco startups,durante seis meses, para realizarem uma parceria. Acompanhe as fases do Programa de Aceleração Visa.

1 – A primeira fase é a do diagnóstico, onde as duas empresas pensam juntas, o que pode ser melhorado.

2 – Depois, as startups são preparadas para ir ao Vale do Silício, onde elas passam duas semanas, podendo estender para três.

3 – A fase três é a do bootcamp, ou seja, em que é feita toda a revisão de estratégia da empresa, o que foi aprendido, o que foi mudado após Vale do Silício.

4 – Só então começa a última fase, a das mentorias com especialistas do mercado e executivos da Visa.

Para concluir, Percival Jatobá defende as ideias do Programa de Aceleração Visa, afirmando que ele é diferente dos outros já existentes no mercado, como Endeavour, e BTG Pactual:

Acredito que cada empresa tem seu próprio objetivo. O nosso é investir em todo o potencial das fintechs para nos ajudar a explorar a indústria de pagamentos digitais, incentivar a migração do pagamento em dinheiro em espécie para pagamentos digitais(…). O maior investimento do Programa é realizado no empreendedor, no desenvolvimento de pessoas e do projeto. Fazemos o empreendedor rever toda a sua estratégia de negócios e o ajudamos a fechar parcerias dentro de no nosso ambiente.”

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*Os comentários não representam a opinião do portal ou de seu editores! Ao publicar você está concordando com a Política de Privacidade.

*

Recomendados para Você