Usuários do PicPay e do Nubank têm reclamado, através das redes sociais, que recursos transferidos do Auxílio Emergencial teriam ‘sumido’ de suas contas, em ambas as fintechs. De acordo com o Nubank, o problema teria ocorrido por conta de uma falha no sistema da Caixa Econômica Federal (CEF).

Beneficiários do Auxílio Emergencial têm usado esses serviços para ‘driblar’ a restrição imposta pela Caixa para realizar saques e transferências usando o aplicativo Caixa TEM. Para evitar a formação de filas nas agências, o banco estatal limitou, em um primeiro momento, o uso dos recursos a pagamento de boletos e compras usando o cartão de débito virtual.

As fintechs oferecem um serviço que permite emitir um boleto no nome do próprio usuário e após realizar o seu pagamento, o valor cai na conta do usuário que pode realizar a transferência de forma imediata.

Posição do Nubank

De acordo com o Nubank, parte dos clientes que realizou o pagamento de boletos por meio da Caixa Econômica Federal teria recebido em sua conta digital uma quantia superior ao valor correto. Informado pela Caixa sobre o erro, o Nubank afirma que comunicou os clientes e estornou os valores de volta à própria instituição estatal.

“Assim que informado pela CEF sobre a situação, o Nubank, agindo de boa-fé, comunicou seus clientes sobre o equívoco e, seguindo as recomendações da CEF, iniciou o processo de estorno dos valores excedentes de volta para o banco estatal. As devoluções foram suspensas assim que o Nubank identificou inconsistências nos dados fornecidos pelo banco estatal”, informou a fintech, em nota.

Diante das reclamações, a fintech suspendeu a devolução à Caixa, e reverteu os valores de volta aos seus clientes, que já teriam recebido os valores em suas contas. A empresa informou que aguarda esclarecimentos adicionais do banco estatal.

O PicPay e a Caixa ainda não se pronunciaram sobre o assunto.

Problema recorrente

Esse, porém, não é o primeiro problema da Caixa com serviços de carteiras digitais. Já na semana passada, clientes do PicPay reclamavam ao tentar enviar da Caixa para as suas carteiras valores relacionados ao auxílio emergencial. Neste caso, houve um problema de comunicação entre os sistemas do banco e da fintech, o que fazia os valores não chegarem ao PicPay. Não houve, porém, pedidos de estornos do banco e registros de valores pagos indevidamente.

O PicPay chegou a emitir nota sobre o assunto. Confira, a seguir: “Desde o início da distribuição do auxílio emergencial, mais de 2,9 milhões de usuários concluíram a transferência do benefício para o PicPay com sucesso. Por instabilidade do sistema do Caixa TEM, um pequeno percentual das transações entre o aplicativos e o PicPay não é concluído.

Nesses casos, o usuário deve fazer nova tentativa. Se a Caixa tiver debitado o valor utilizado para a transferência, o estorno deverá ser realizado pelo próprio banco”, orienta a fintech.

Calendário da 3ª parcela do auxílio emergencial

A Caixa Econômica Federal (CEF) libera a partir desta quarta (8) os saques e transferências da primeira parcela do Auxílio Emergencial para os aprovados inscritos no aplicativo e site dentro do terceiro lote, e que aniversariam em março, um total de 400 mil trabalhadores.

Ao todo, o lote inclui 5,9 milhões de beneficiários. Os saques e transferências serão realizados conforme o mês de nascimento do trabalhador e vão até o dia 18 de julho. Esses trabalhadores já tiveram o dinheiro liberado na poupança social digital entre os dias 16 e 17 de junho.

São 400 mil trabalhadores nascidos a cada mês que poderão fazer o saque dentro desse lote, com exceção de dezembro, que soma 500 mil beneficiários. Já a segunda parcela para os aprovados do terceiro lote ainda não tem data definida.

Recomendados para Você
Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*Os comentários não representam a opinião do portal ou de seu editores! Ao publicar você está concordando com a Política de Privacidade.

*