A Caixa Econômica Federal (CEF) disponibiliza uma concessão de crédito livre de consulta ao SPC e à Serasa. Uma das maiores dificuldades enfrentadas por uma pessoa com o CPF negativado é a de conseguir empréstimo. Para que pessoas inadimplentes possam usufruir desse serviço financeiro, o banco estatal oferece duas modalidades de empréstimo para negativados.

A modalidade é direcionada para quem está com nome sujo e concede até R$ 100 mil de crédito, no caso do penhor.

Ficou interessado nessa linha de crédito? Deseja saber mais detalhes? Siga conosco! Na sequência, o Unum traz todos os detalhes de cada uma das modalidades oferecidas, para que você escolha a melhor para o seu perfil! Acompanhe!

Crédito consignado Caixa

Sem necessidade de avalista, além de contar com vantagens especiais e excelentes condições, o crédito consignado da Caixa é destinado a funcionários de empresas e órgãos conveniados, tal como o público de aposentados e pensionistas do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS).

Ele oferece vantagens especiais, pensadas exclusivamente para você. Dentre elas, destacam-se: comodidade no pagamento da prestação, uma vez que as parcelas são descontadas diretamente do benefício ou salário; agilidade na aprovação e menos processos burocráticos; e segurança e controle do valor máximo, calculado conforme o recebido em folha pelo requerente. Vale lembrar que o valor da parcela não pode ultrapassar a margem consignável de 30%.

Para saber como realizar a solicitação deste serviço, clique no botão que está no fim desta publicação.

Como funciona esse empréstimo?

O cidadão negativado poderá dar como garantia para conseguir o crédito, o desconto direto em folha de pagamento (como acontece no consignado), comprovante de renda, bem móvel, bem imóvel além de penhor de joias. A inscrição da pessoa como negativada nos órgãos de crédito não poderá ser considerada para conseguir o empréstimo, assim como não deverá ser levado em conta o Serasa Score (pontuação que informa se o consumidor é um bom pagador).

De acordo com o senador Chico Rodrigues, em argumentação em texto do projeto, a modalidade de empréstimo para negativados já existe no mercado, porém costuma ser restrita e oferecer taxas de juros muito altas, que não ajudam o negativado neste momento.

Rodrigues destacou que a situação especial de calamidade pública “impacta fortemente na economia e afeta diretamente o empreendedor que luta para manter seu negócio próprio ou mesmo as pessoas que possuem trabalho, porém não conseguem pagar as contas em dia”, detalhou no projeto.

Ele ainda escreveu que, “Agora não é a hora de virarmos as costas aos negativados, que já possuem dificuldade extrema para pagar suas dívidas e precisam da possibilidade de financiar as operações ou para conseguir uma injeção de capital extra”, acrescentou o parlamentar.

O Projeto de Lei n° 1063 seguiu para o Plenário no dia 27 de março de 2020, foi publicado em 2 de abril, na página do Senado sobre tramitação de projetos.

Garantia por Penhor

A garantia de pagamento dessa modalidade de empréstimo é a penhora de um bem de valor equivalente. Exatamente por causa disso, esse é um dos métodos mais acessíveis e de aprovação fácil. O valor liberado é de até R$ 100 mil. Nessa modalidade, o valor do empréstimo a ser disponibilizado é calculado com base em 85% do valor de mercado do bem penhorado.

Alguns objetos aceitos como bem de penhor são joias em ouro de, no mínimo, 12 quilates, metais nobres, relógios, pérolas e outros bens. Caso as parcelas não sejam pagas, acaba gerando mais inadimplência para o cliente e o penhor é leiloado.

Clique no botão no fim deste post para saber como contratar esta modalidade.

Durante pandemia do novo coronavírus Caixa retirou os juros do empréstimo

Um projeto de lei que propõe liberar empréstimo sem cobrança de juros para negativados, inscritos nos cadastros no SPC/Serasa, está em tramitação no Senado Federal. O objetivo é oferecer linha de crédito para inadimplentes, dando suporte financeiro durante o período de pandemia do novo coronavírus (Covid-19).

O autor do Projeto de Lei n° 1063 é o senador Chico Rodrigues (DEM/RR). Segundo ele, a cobrança de juros deverá ser mínima ou zero ao mês, o crédito será disponibilizado tanto por bancos públicos como privados. Contudo, o empréstimo deve se limitar apenas para pessoas físicas.