Você provavelmente já ouviu falar em B3 ou em Bovespa, não é verdade? Independentemente do seu perfil de investidor, é importante conhecer esses termos para entender o que eles representam no universo dos investimentos. A antiga BOVESPA (Bolsa de Valores de São Paulo) é o principal mercado de negociação de ações de empresas do Brasil, maior bolsa de valores da América Latina e a oitava maior do mundo. Sua sede se encontra no Centro da cidade de São Paulo. Seu principal índice econômico é o Ibovespa.

A Bolsa de Valores de São Paulo é uma entidade autorreguladora que opera sob a supervisão da Comissão de Valores Mobiliários (CVM). Enfim, qual é a história desta instituição? Por quais motivos ela é tão relevante em conversas sobre o mercado financeiro? Sabia que, antigamente, havia uma Bolsa de Valores em cada estado brasileiro?

Ficou curioso? Deseja investir e quer saber mais sobre esta instituição importantíssima no mundo dos investimentos no Brasil? Continue por aqui! Na sequência, tudo o que você precisa saber sobre a atual B3, a antiga e popular Bovespa! Acompanhe conosco!

O que é a B3, antiga Bovespa?

Se você já leu ou conversou com alguém sobre investimentos em ações — que funcionam como pequenas parcelas comercializadas de uma empresa —, é bem possível que a B3 tenha sido mencionada. De modo bem resumido, a B3 é a responsável pela bolsa de valores no Brasil, além de incorporar a CETIP (que faz a custódia de títulos privados e públicos) e a bolsa de futuros e mercadorias. A empresa administra e cria sistemas de negociação, compensação, liquidação, registros e depósitos para diferentes categorias de ativos.

Sendo assim, na bolsa, através da B3, você pode negociar inúmeras aplicações, como ações, commodities (soja, café etc.), moedas estrangeiras (dólar americano, euro e afins), investimentos em renda fixa e derivativos.

Vale ressaltar, ainda, que suas próprias ações estão listadas no Ibovespa, índice que agrega aquelas ações mais negociadas em nossa bolsa. E caso queira, você também pode investir nelas. Ela ainda integra outros índices, como IBrX-50, IbrX, Itag e afins.

Como surgiu a B3?

Agora que você já conhece as principais funções da B3, é hora de saber qual é sua história e por que ela já foi chamada por outros nomes, sendo Bovespa o mais famoso e duradouro deles. Em poucas palavras, ela é resultado direto da união entre BM&F e Bovespa (BM&F Bovespa) — depois, ocorreu uma fusão envolvendo BM&F Bovespa e CETIP, que originaram a B3 S.A.

O início da B3 (1890 a 1935)

Os primeiros moldes dessa instituição surgiram no século XIX, visto que ela foi criada no ano de 1890, com o nome de Bolsa Livre e passou por muitas atualizações até ser reconhecida da forma como a chamamos nos dias atuais.

No começo, tanto a compra e venda de títulos quanto a intermediação entre o cliente e o banco eram serviços inovadores para a época. Apesar disso, a Bolsa Livre foi rapidamente fechada por conta das políticas econômicas, o aumento de emissão de papel-moeda e a alta da inflação, que aconteceram nesse período.

Pouco tempo depois, em 1895, surgiu a Bolsa de Fundos Públicos de São Paulo.

Mudanças de nomes (de 1935 a 2007)

Em 1935, ocorre mais uma mudança em sua denominação e a entidade passa a ser chamada de Bolsa Oficial de Valores de São Paulo. Algumas décadas depois, nos anos 1960, o Brasil viveria o auge da presença de diferentes bolsas de valores no país. Em dado momento, tivemos 27 delas espalhadas em todo o território nacional, de modo que algumas se juntaram e deram origem a novas instituições.

Foi apenas em 1967 que ela ganhou uma de suas mais famosas denominações: Bolsa de Valores SP ou Bovespa. Um ano depois, em 1968, criou-se o principal índice de ações brasileiro: o Ibovespa. Em resumo, ele indica a performance das ações que têm maior volume de negociação. A Central de Custódia e de Liquidação Financeira de Títulos (CETIP), por sua vez, foi criada em 1984 e começou a operar em 1986.

Fusões recentes (a partir de 2007)

Em 2007, as bolsas de valores deixaram de ser entidades sem fins lucrativos e se transformam em empresas de capital aberto. Com isso, os detentores de títulos patrimoniais passaram a ser acionistas, em um processo que ficou popularmente conhecido como desmutualização.

Em 2008, a BM&F (criada em 1917) e a Bovespa se uniram. A fusão resultou no aparecimento da Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros de São Paulo (BM&F Bovespa). Em 2017, ocorreu a fusão entre BM&F Bovespa e CETIP, que eram as duas maiores instituições do setor, dando origem à B3 S.A. — sob a supervisão da Comissão de Valores Mobiliários (CVM), ela se transformou em uma sociedade de capital aberto.

Essa combinação consolidou, de vez, sua atuação, e a B3 S.A. passou a oferecer infraestrutura para o mercado financeiro. O leque de serviços e produtos oferecidos foi ampliado, e a empresa passou a contribuir de modo mais eficiente para o mercado.

A importância da B3

Além de ser a única bolsa de valores, mercadorias e futuros em operação em nosso país, ela também é a maior depositária de títulos de renda fixa do continente. Como se não bastasse, é a maior câmara de ativos privados no Brasil.

Vale destacar que uma bolsa de valores, mercadorias e futuros, negocia contratos e não produtos físicos. Um contrato pode ser equivalente a 50 kg de soja, por exemplo, mas isso não significa que você precisará retirar essa commoditie. Dependendo das flutuações na cotação, pode ser necessário pagar um ajuste diário à bolsa.

Para que você tenha uma ideia, existem várias empresas listadas em seu banco de dados, que fazem parte de setores diversos, tais como:

  • Saúde;
  • Petróleo, gás e biocombustíveis;
  • Tecnologia da informação;
  • Consumo cíclico e não cíclico;
  • Materiais básicos;
  • Telecomunicações;
  • Utilidade pública, dentre muitos outros.

Investimento em ações e ativos

Se você quiser investir nas ações de uma empresa e precisa reunir informações sobre ela, por exemplo, basta acessar o site da B3 para conhecer determinada companhia e acompanhar as variações que ela apresentou nos últimos meses.

Diferentemente do que muitos pensam, a bolsa de valores não é voltada apenas à compra e venda de ações. Nela, é possível investir em diferentes categorias de ativos. Veja, a seguir, algumas exemplificações disso:

  • Ativos de renda fixa públicos e privados e cotas de fundos: nessa classe estão os papéis de tesouro direto, fundos de investimentos variados, e letras de crédito imobiliário e do agronegócio (LCIs e LCAs);
  • Mercado à vista, de renda variável e câmbio: compra e venda de ativos com preços estabelecidos no pregão, à base da relação entre oferta e demanda;
  • Derivativos: são instrumentos econômicos em que os valores são obtidos a partir da variação de outros títulos, como moedas e juros.

A importância da B3 para os investidores brasileiros está ligada não apenas à excelência operacional e à gestão de risco, mas também à responsabilidade de fomentar os mercados nos quais ela atua. Por meio de inovações, desenvolvimento de produtos e programas de educação, ela possibilita o acesso ao mercado financeiro mesmo para quem acabou de entrar no mundo dos investimentos.

Por fim, é inegável que a B3 é fundamental para quem investe. Por isso, é importante conhecer a sua história e o papel que ela desempenha no cenário nacional.

3 Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*Os comentários não representam a opinião do portal ou de seu editores! Ao publicar você está concordando com a Política de Privacidade.

*