Como você já deve saber, a Taxa Selic sofreu uma queda nos últimos meses, mas o que é a Taxa Selic e o que eu tenho a ver com isso? Bom, a Selic é a taxa básica de juros da economia no Brasil, utilizada no mercado interbancário para financiamento de operações com duração diária, lastreadas em títulos públicos federais.

Se ela sofre alteração, a economia sofre alteração em todas as áreas, desde a rentabilidade da poupança e dos investimentos, até nos juros dos financiamentos.
Mas peraí, se a Selic caiu, então os juros do meu financiamento caíram? Sim! Abaixo vamos te explicar como você pode fazer para pagar juros menores nas prestações do seu imóvel.

O Que A Selic Tem a Ver Com o Mercado Imobiliário?

Os índices praticados por essa taxa de juros refletem diretamente na economia brasileira, sinalizando uma possível crise financeira no país.  Em 2016, por exemplo, no ápice da recessão brasileira, a Selic estava em 14,25% obrigando, em partes, os comerciantes a reduzirem os preços das mercadorias com o intuito de diminuir a inflação.
Atualmente, a Taxa está a 5,9%, e quando ela está baixa, tomar dinheiro emprestado fica mais barato pois os juros estão menores e o consumo no país é estimulado.

Levando essas informações para o mercado imobiliário, quanto maior a Taxa Selic, maior o custo do financiamento, e menor a quantidade de imóveis vendidos. Prova disso é a constante redução do número de propriedades novas vendidas no Brasil enquanto a Selic estava em alta, entre 2014 e 2016.

Você já sabe o valor máximo de um financiamento imobiliário?

De acordo com o mercado, este é um bom período para comprar um imóvel, já que as taxas estão tão baixas, e a tendência é que esta taxa se mantenha estável nos próximos meses, sem previsão de reajuste pelo Copom (Comitê de Política Monetária).

Já Estou Em Um Financiamento. Como Pago Juros Menores?

Com a queda da taxa básica de juros, os bancos diminuíram os juros cobrados no financiamento, então, vamos repetir, se você deseja comprar um imóvel, este pode ser um bom momento.
Mas o benefício vem também para quem já está em um financiamento, nesse caso, como o indivíduo iniciou o compromisso pagando juros maiores, pode solicitar a portabilidade do financiamento imobiliário, transferindo a dívida para outro banco e garantindo melhores condições de pagamento.
“O momento é ideal para fazer a portabilidade. Se você contratou um financiamento há quatro anos, por exemplo, em uma época em que a Selic estava alta, vale a pena pesquisar”, disse Marcelo Prata, fundador da plataforma de imóveis Resale.

Mas quais os passos para pedir a portabilidade?

Peça ao seu banco um documento com as informações sobre o financiamento: prazo restante de pagamento, valor das parcelas e a soma total que ainda falta ser paga (saldo contratual).
Nesse documento, procure o custo efetivo total (este valor já inclui outros custos do contrato, como taxas e seguros)
Com o documento em mãos, pesquise outros bancos e compare o custo efetivo do seu banco com o dos concorrentes
Se o custo do banco for 0,5% menor que o atual, vale a pena solicitar a portabilidade

Segundo cálculos de Alberto Ajzental, professor de economia e negócios imobiliários da FGV (Fundação Getúlio Vargas), “A economia com o novo contrato vai variar de acordo com o tamanho da dívida restante e o prazo de pagamento. Em um contrato com saldo restante de R$ 200 mil e 120 parcelas, por exemplo, uma queda de 0,5% representa economia de R$ 6.600″.

E aí? Tá esperando o que pra fazer uma simulação? Caso esteja interessado em um consórcio imobiliário, conheça a empresa Gazin e o Consórcio de imóvel Rede Oeste.

Deixe seu Comentário